Saturday, August 20, 2016

Como se estivesse jogando sal em seus cortes


Ela tinha tomado uma resolução. Estava resignada. Pararia de acreditar em romance, casamento e todas essas coisas.
Confiar nas pessoas já não cabia mais. Elas apenas decepcionavam, puxavam, puxavam o tapete, traíram.
E ela mantinha essa aparente confiança. Estava tudo bem ficar solteira a vida toda, ter uma casinha branca de varanda, com um quintal e uma janela para ver o sol nascer. Um lugar calmo para sentar, ler, ouvir música e escrever, com vários bichinhos de estimação. Nada alegraria mais seu coração. Porque ninguém precisa de namorado para ser feliz. Nem casar.
Mas, a cada vez que alguém comentava sobre algum noivado, casamento, era como se estivesse jogando sal em seus cortes. Eles estavam abertos e sangrando. Dores de ver famílias partidas e casamentos infelizes. A dor de saber que não poderia envolver alguém no turbilhão de emoções negativas que carregava desde a infência, nem ser responsável pela infelicidade dos outros.
Então, passava por mais essa, assoprando os cortes, dizendo a si mesma que ficaria tudo bem. Escondia seu coração e fingia mais uma vez que era uma pedra de gelo. 
Porque o gelo anestesia a dor.

No comments:

Post a Comment

Páginas